Histórico

1961
•   Em 23 de março, representantes das empresas particulares permissionárias do serviço de transporte urbano coletivo de passageiros em São Paulo se reuniram para criar uma entidade para a defesa e representação da classe. A entidade foi inicialmente denominada Associação Paulista de Empresas de Ônibus Urbanos.

•   Dois meses depois foi realizada uma assembleia geral onde os estatutos foram aprovados e a denominação da entidade foi alterada para Associação Paulistana de Empresas de Ônibus, conhecida como APEO. Além disso, nessa assembleia também foi eleita a primeira diretoria.

1965
•   A APEO tem seu estatuto modificado e as diretorias tiveram seu mandato prorrogado por dois anos.

1966
•   Desativação da APEO.

1968
•   O sistema de bondes é desativado e, por consequência, as empresas de ônibus aumentam sua participação no transporte de passageiros da capital.

1972
•   Empresários de ônibus se reúnem em 16 de agosto para reativar a APEO.

•   Em 27 de setembro, reunião desses mesmos empresários aprova os estatutos da APEO, constituída como entidade civil.

1975
•   A APEO e o SETPESP (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo) se reúnem e a cidade é dividida em setores, sendo um central e seis periféricos.

1976
•   Criação de faixas privativas para ônibus nos principais corredores de tráfego.

1980
•   Em 22 de setembro, em assembleia, a APEO deixa de ser uma entidade de caráter civil e se transforma em uma associação profissional denominada Associação Profissional das Empresas de Transporte Rodoviário Urbano da Grande São Paulo, que seria mais conhecida como Transurb (abreviatura de Transporte Urbano). Sua finalidade seria congregar, promover, orientar, defender e amparar as empresas de transporte coletivo urbano de passageiros, por ônibus, bem como representá-las, esclarecer a opinião pública e colaborar com o poder público para o aperfeiçoamento da atividade de transporte urbano.

1982
•   A denominação inicialmente pretendida foi revista e a entidade foi registrada, em 19 de abril, como Associação Profissional das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros. A palavra-símbolo, Transurb, foi mantida.

•   Em 23 de junho desse ano, uma nova Assembleia discutiu, entre outros assuntos, a transformação da Associação em sindicato. Em 1º de dezembro, após receber a carta de reconhecimento, o Transurb passa a denominar-se Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo.

1991
•   Em 04 de dezembro, o novo estatuto do Transurb é aprovado. A entidade passa a contar com um Conselho Consultivo, indicado pelo Presidente e formado por empresários do setor.

1994
•   Em 25 de agosto, o Transurb se consolidara oficialmente como entidade de representação, após transferir-se para uma sede própria. Local onde permanece até a atualidade.

1995
•   Pioneirismo no tratamento de assuntos de amplo alcance social, como negociações da Convenção Coletiva de Trabalho sobre Saúde e Segurança do Trabalhador nas Garagens e o Protocolo de Intervenções com a CETESB para a redução da fumaça preta dos ônibus.

•   O Transurb criou o Grupo Qualisist, formado por executivos e empresários com a finalidade de conduzir a política de qualidade de todo o setor e apoiar a criação de programas de qualidade em cada empresa.

1997
•   Realização do seminário “Transporte Coletivo em São Paulo: projetos, problemas e soluções”, onde foram discutidos amplamente assuntos de importância para a estruturação de um plano de transportes coletivos para a cidade: a viabilidade do VLP, bilhetagem automática, o papel do ônibus e os efeitos dos transportes alternativos e clandestinos.

2000
•   Sob coordenação do Transurb, os validadores de cartões magnéticos foram implantados em cerca de três mil ônibus.

2002
•   Implantação do sistema integrado de transportes na capital, que comportava linhas diversas, com a finalidade de atender às necessidades atuais e futuros deslocamentos da população. Como consequência, a cidade foi dividida em oito regiões, cada uma a ser atendida por uma empresa ou consórcio de empresas, e uma região central, comum a todas as operadoras.

2003
•   O Conselho de Administração sugere a modificação da marca representativa do Sindicato, alterando-a para SPUrbanuss, sem mudar a denominação anterior, Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo.

•   Assinados os contratos com os consórcios e cooperativas que passam a trabalhar no novo sistema de transporte público: O Sistema Interligado.

2006
•   As empresas concessionárias assinam Termo de Referência para a renovação da frota da cidade. Até 2008, todos os ônibus deveriam ter, no máximo, dez anos de uso.

2010
•   São testados nos ônibus da cidade combustíveis e tecnologias verdes:
 Biodiesel de cana-de-açúcar – combustível de fonte renovável;
 Ônibus Híbrido – tecnologia com dois motores: um a diesel e outro elétrico, contribuindo para a economia do diesel e redução de poluentes;
 Etanol   – o projeto é pioneiro no Brasil e começou com 50 veículos do sistema de transporte municipal.

2011
•   Testes com 20% de biodiesel adicionado ao diesel comum.

2013
•   Em março, a convite do SPUrbanuss, o arquiteto e urbanista Jaime Lerner elaborou o Estudo Preliminar de Eixos de Transportes de Passageiros, que analisa a alternativa de se criar uma rede expressa de corredores, capaz de multiplicar as possibilidades de trajetos, com enorme ganho de tempo para os clientes do transporte urbano.

•   Em meados daquele ano, o Conselho de Administração do SPUrbanuss decide profissionalizar o sindicato. É contratado para ocupar a presidência o engenheiro e especialista em transportes Francisco Christovam.

2014
•   Dia 24 de abril é lançada a campanha "Ônibus queimado não leva a lugar nenhum". Em parceria com o CMT e a Fecootransp, o SPUrbanuss  lança uma campanha de conscientização contra os diversos ataques e incêndios à coletivos nos primeiros meses do ano;

•   Empresas concessionárias investem em consumo inteligente de água e evitam desperdícios durante a crise de abastecimento;

•   Empresas concessionárias criam linhas especiais, que circularam pelos pontos turísticos da cidade, para atender os turistas que vieram à Capital para assistir aos jogos da Copa do Mundo;

•   Entram em operação, no sistema de transporte público de São Paulo, novos ônibus Superarticulados. Mais modernos e avançados, esses veículos têm diversas vantagens para os usuários: possuem 23 metros de comprimento, podem carregar até 200 passageiros, têm câmeras frontais, de ré e nas portas garantindo segurança no embarque e desembarque, sistema de freios ABS, ar condicionado e acessibilidade total para pessoas com necessidade especiais, obesos, gestantes, mulheres com crianças de colo e idosos.

•   O SPUrbanuss recebeu, no dia 06 de novembro, o Prêmio Bienal de Marketing ANTP 2014, categoria Institucional (ações destinadas ao fortalecimento da imagem e da marca das empresas e de órgãos gestores), com a campanha “Ônibus Queimado não Leva a Lugar Nenhum”.

•   Em 27 de novembro, foi lançado o projeto de incentivo à leitura Livro na Faixa, uma iniciativa da SPTrans, com o apoio do SPUrbanuss e de empresas operadoras do transporte coletivo.

•  Em dezembro de 2014, foram divulgados os resultados da auditoria realizada pela empresa Ernest&Young no sistema de transporte. Os dados demonstraram que as empresas colocam em circulação, 100% da frota operacional e que a taxa interna de retorno (TIR), aferida atualmente pelas empresas concessionárias, não apresenta discrepância com a TIR fixada pelo poder público em 2003, início da contratação dos serviços de transporte.  Os resultados deixaram claro que não há nenhuma caixa-preta no sistema de transporte por ônibus na cidade de São Paulo.

•   Dez veículos decorados com temas natalinos circularam pela cidade, tornando-se uma das atrações das festividades do final de ano.

2015
•   Foram publicados, no começo de fevereiro, os Decretos Nos 55.889, 55.890, 55.891, 55.892, 55.893, 55.894, 55.895, 55.896, 55.897, 55.898, 55.899, 55.900, no Diário Oficial da Cidade de São Paulo, que declararam de utilidade pública, para fins de desapropriação, imóveis particulares onde estão instaladas as garagens das empresas operadoras do transporte urbano.
 
•  Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de uma rede de transporte mais eficiente para a cidade de São Paulo, o SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo encomendou um estudo exclusivo à empresa de consultoria LOGIT, para analisar a eficiência da rede futura e suas consequências operacionais. Intitulada “Avaliação da Rede de Transporte por Ônibus para a Cidade de São Paulo”, a análise culminou em algumas propostas de melhoria e várias sugestões para o desenho da nova rede de transporte urbano

•   Durante o 20º  Congresso Brasileiro de Transporte e Transito – IX INTRANS, promovido pela Associação Nacional de Transportes Públicos – ANTP, o SPUrbanuss esteve representado na Sessão Especial “Nova Visão Empresarial do Sistema de Ônibus da Região Metropolitana de São Paulo”, realizada no dia 24 de junho, no Centro de Convenções Mendes, em Santos-SP.

•   No começo de julho, foi publicada no Diário Oficial da Cidade de São Paulo minuta do edital de licitação, com vistas à concorrência para a prestação do serviço de transporte coletivo público de passageiros, colocada sob consulta pública até o dia 31 de agosto.  O SPUrbanuss encaminhou documento, com mais de 70 páginas, com considerações sobre itens do edital.

Consolida-se a instalação de novas tecnologias nos ônibus urbanos, com ampla aceitação pelos clientes do serviço de transporte coletivo. Passa a rodar pela cidade um maior número de veículos com ar condicionado, câmeras de controle interno e sistema de acesso à internet (wifi).

Em 2015, foram bem sucedidas as negociações com os Sindicatos dos trabalhadores no setor de transporte e desenvolvido o programa “Direção Certa”, com o objetivo de aperfeiçoar os profissionais que atuam nas empresas operadoras.

Em meados de 2015, as empresas concessionárias, conforme estava previsto no contrato de prestação de serviço assinado em 2003, assumiram a administração de 28 Terminais Urbanos.

Durante o ano, o SPUrbanuss impulsionou os contatos com os veículos de comunicação, ganhando mais credibilidade devido ao posicionamento claro e transparente da entidade sobre os principais temas do setor.

O SPUrbanuss intensifica os trabalhos dos Grupos Técnicos, que contam com a participação de representes de todas as empresas operadoras, e marca presença nos Colégios Técnicos da NTU – Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano.

Como contribuição às questões ambientais, o SPUrbanuss fez uma ampla análise dos impactos da Lei No 14.933, de 2009, também conhecida como a Lei de Mudança do Clima, que exige o uso de combustível não fóssil em todos os ônibus da cidade de São Paulo. A avaliação contou com o auxílio do consultor Olímpio Álvares, experiente nas questões ambientais.

É publicado no Diário Oficial da Cidade, em outubro, o texto final do edital de licitação. Com orientação dos técnicos do SPUrbanuss, as empresas concessionárias preparam as propostas para o certame licitatório.

Técnicos do SPUrbanuss e empresas associadas participam, com a SPTrans, das definições da operação da Rede de Ônibus da Madrugada, conjunto de linhas noturnas que funcionam da 0 hora às 4 horas.

Foi realizado o evento Ônibus Natalino, com mais de 50 veículos das empresas concessionárias e permissionárias circulando pela cidade, durante todo o mês de dezembro, fazendo a alegria dos paulistanos.

2016
Com a publicação da Portaria 016/16 – SMT.GAB, o Sistema Integrado de Monitoramento – SIM passou a ser também uma ferramenta de fiscalização. A medição do cumprimento das viagens programadas, aferida pelo SIM, obedece a um cronograma de implantação.

Em maio, os ônibus da cidade de São Paulo começaram a ser equipados com terminais de recarga embarcada. O novo sistema permite que os usuários validem todos os tipos de bilhete eletrônico dentro dos veículos. A operação de validação demora entre oito e dez segundos para ser finalizada e os créditos podem ser adquiridos via internet ou por meio de aplicativos. 

O Tribunal de Contas do Município de São Paulo – TCM liberou, em julho, a licitação dos transportes na capital paulista, com recomendações técnicas à Prefeitura de São Paulo, entre elas, a apresentação de estudo de viabilidade econômico-financeira para a contratação das empresas operadoras.

As empresas concessionárias assinam aditivos contratuais com a Prefeitura de São Paulo, com alteração na forma de remuneração pelos serviços prestados, durante os meses de agosto a dezembro de 2016.

Os 28 Terminais Urbanos, por onde circulam mais de 1,5 milhão de pessoas, por dia, começam a receber reformas estruturais, para oferecer mais segurança e conforto aos passageiros dos ônibus.

O SPUrbanuss e suas associadas promovem os eventos Natal nos Terminais e Natal dos Ônibus Iluminados, com desfile de mais de 30 veículos decorados pelos principais pontos de atração paulistanos, como a Avenida Paulista e o Parque do Ibirapuera.